Novidades

21/10/16

Programação infantil do FLIV 2016 conta com a participação de Kiara Terra

Com foco no incentivo à leitura entre o público infanto-juvenil, o FLIV oferece diversas atrações para a criançada, como sessões de contação de histórias, oficinas e espetáculos teatrais e circenses.

No final de semana, os destaques ficam por conta das sessões de contação de histórias com a escritora e atriz paulistana Kiara Terra, que acontecem no Galpão FLIV, no domingo (23/10), às 10h e às 16h, e na segunda-feira (24/10), às 8h.

Outra atração que promete chamara atenção do público infanto-juvenil é o espetáculo teatral “A ver estrelas”, adaptado da obra de João Falcão por Jorge Vermelho. A peça é um oferecimento do SESC Rio Preto e será apresentada às 11h e às 16h, no Centro de Convenções“Jornalista Nelson Camargo”.

21/10/16

FLIV 2016 recebe bate-papos com escritores neste final de semana

Neste sábado (22/10), no FLIV, os escritores Marcelino Freire e Evandro Affonso Ferreira se reúnem às 19h30 para o bate-papo “Trajetórias da Escrita”. Autores de livros premiados e reconhecidos pela crítica, Marcelino e Evandro falam de suas trajetórias como escritores, dos desafios da carreira literária, do processo de criação de romances e contos e também leem trechos de suas obras para o público.

Já no domingo (23/10), a partir das 18h30, é a vez dos autores Jean Garfunkel e Penélope Martins discutirem a força da voz e da cultura oral, abordando temas que vão da poesia e das narrativas à contação de histórias e às canções. Em seguida, Jean e Penélope ainda prestam um tributo à poetisa goiana Cora Coralina, autora homenageada nesta edição do FLIV.

Na segunda-feira (24/10), a escritora, crítica e curadora de arte, Veronica Stigger comanda um bate-papo sobre a prosa contemporânea. Às 19h30, a autora conversa com o público sobre sua formação, os processos da escrita, a literatura contemporânea e os dilemas da ficção, a partir da leitura de seus textos.

21/10/16

Final de semana no FLIV tem teatro e bate-papos com escritores

O final de semana em Votuporanga será repleto de arte e cultura trazidas pela 6ª edição do FLIV – Festival Literário de Votuporanga, que acontece na cidade até o dia 29 de outubro, no Parque da Cultura, com entrada aberta e totalmente gratuita a todos, inclusive para moradores decidades da região.

Entre os principais destaques da programação está a vinda, pela primeira vez na história do festival, da Mostra de Teatro Ademar Guerra, do Governo do Estado. Além dos espetáculos teatrais do projeto, o primeiro final de semana do FLIV receberá grandes nomes da literatura nacional para rodas de bate-papo, realizadas no auditório externo do Parque da Cultura.

Completam a programação atividades voltadas para o público infanto-juvenil, como sessões de contação de histórias e oficinas, além das apresentações musicais da banda mineira Pato Fu e de grupos votuporanguenses como Symphonic Rock e o Trio Musical 3 do Folkabilly.


Mostra de Teatro Ademar Guerra

De sábado (22/10) até a próxima terça-feira (25/10), nove grupos do Programa de Qualificação em Artes, vindos de diferentes municípios do interior do Estado de São Paulo, se encontrarão para realizar a mostra. O Projeto Ademar Guerra faz parte do Programa de Qualificação em Artes da Secretaria da Cultura do Estado e é gerenciado pela organização social POIESIS. Também será realizado um sarau no Teatro Aberto do Centro de Informações Culturais e Turísticas “Marão Abdo Alfagali”, no sábado (22/10), às 23h.

21/10/16

Pato Fu se apresenta no FLIV neste sábado

A programação da 6ª edição do FLIV – Festival Literário de Votuporanga tem um grande destaque na noite deste sábado (22/10). O palco principal ao ar livre do Parque da Cultura receberá o show da banda mineira Pato Fu, às 21h, que apresenta sua nova turnê após sete anos sem disco inédito.

O grupo está de volta à cena musical com a turnê do disco “Não Pare Pra Pensar”, o décimo álbum de estúdio da banda e o 12º no total. Em 2016, o Pato Fu celebra 24 anos de estrada, sendo uma das bandas brasileiras mais fiéis às suas origens.

Formado por Fernanda Takai, John Ulhoa, Ricardo Koctus, Richard Neves, Glauco Mendes e Aluízer Malab, o grupo nasceu em 1992, em Belo Horizonte. Consolidado no cenário independente do rock nacional, o Pato Fu foi considerado pela revista norte-americana “Time” como uma das dez melhores bandas do mundo fora dos Estados Unidos, ao lado de nomes como U2 e Radiohead.

Além de composições originais, conhecidas pelos arranjos inovadores e pelas letras irreverentes, o Pato Fu também apresenta releituras de canções consagradas, como “Ando Meio Desligado”, originalmente gravada pelo grupo Os Mutantes.

Entre os hits prometidos para o show da banda estão “Sobre o Tempo”, “Canção Pra Você Viver Mais”, “Eu”, “Simplicidade” e “Perdendo Dentes”.


Sobre o FLIV

O Festival Literário de Votuporanga – FLIV é considerado o maior evento multicultural gratuito do Estado de São Paulo. De 21 a 29 de outubro, terá a sua maior edição, no Parque da Cultura, com nove dias de atividades gratuitas abertas ao público, contabilizando cerca de 125 horas gratuitas de promoção à cultura, com foco no incentivo à leitura junto ao público infanto-juvenil, na faixa etária de 6 a 14 anos. Entre as principais atrações desta edição, estão escritores como Ignácio de Loyola Brandão, Marcia Tiburi e Lourenço Mutarelli. Em cinco edições, o festival registrou mais de 230 mil visitantes de 40 municípios do interior paulista. Saiba mais em www.flivotuporanga.com.br ou no facebook.com.br/flivotuporanga


Organização

O FLIV 2016 é realizado pelo Ministério da Cultura, Instituto Comuna, Prefeitura de Votuporanga e Governo do Estado com patrocínios oficiais do Guaraná Antartica e Elektro pela Lei de Incentivo à Cultura e Proac/SP – Incentivo à Cultura do Estado de São Paulo. E os apoiadores Grupo HSA, Senac, Abaçaí Organização Social de Cultura, Poiesis – Instituto de Apoio à Cultura, à Língua e à Literatura; Projeto Ademar Guerra; OC Oficinas Culturais, Apaa – Associação Paulista dos Amigos da Arte; Sesc 70 anos; Unifev; Museu Casa de Cora Coralina; Media Lab/UFG; SP Leituras e Sesi/SP. Promoção, TV TEM.



21/10/16

Rede Panapanã dará seu recado no FLIV 2016

Por que existe o movimento feminista? Como ele pode contribuir para melhorar o mundo? Quais são as mulheres que lutaram e lutam pela causa? Como garantir o direito à diversidade e à democracia? Se você se interessa por estes temas, não pode perder a programação preparada pela Rede Panapanã de Mulheres do Noroeste Paulista para o FLIV - Festival Literário de Votuporanga deste ano, que é uma ode ao universo feminino. Duvida? A poetisa Cora Coralina é a homenageada da edição; sua filha, Vicência Bretas Tahan, é uma das convidadas especiais e a participação da Rede Panapanã coroa a celebração às mulheres.

No próximo sábado, dia 22, às 9h30, a palestra “Por que lutam as mulheres” abrirá a participação da Rede no Festival. Serão apresentados os princípios norteadores de ações e atividades realizadas pela Panapanã na região e as diferentes abordagens sobre gênero e diversidades, bem como as principais conquistas para os movimentos de mulheres e feministas.

No dia 28/10, às 15h30, as convidadas especiais da Rede Panapanã, Criméia Almeida e Amelinha Teles, falarão sobre mulheres que lutaram contra a ditadura militar, com paixão e resistência, em defesa da democracia, e a perspectiva de estudantes e professores quanto ao contexto de reformas na educação. Os mediadores serão os docentes Paulo Stipp, Sylvia Okimoto e Ligia Pontes. 

No dia 29/10, às 18h30, em “Narrativas Feministas”, Amelinha Teles abordará a luta das mulheres em tempos de golpe militar e a contribuição dessa geração para os atuais movimentos feministas, que buscam por transformações nas relações entre homens e mulheres, a partir de novas formas de pensar e agir.  As mediadoras serão as integrantes da Rede Panapanã Terezinha Gonzaga e Angelita Toledo.

 

Da guerrilha à imprensa feminista

A participação da Rede Panapanã no FLIV inclui o lançamento do livro “Da guerrilha à imprensa feminista - a construção do feminismo pós-luta armadano Brasil” (1975- 1980), Editora Intermeios, coleção Entregêneros, de Amelinha Teles e Rosalina Santa Cruz Leite. “As mulheres que lutaram contra a ditadura militar traziam a irreverência, a paixão e a rebeldia da resistência. Uma boa parte das militantes políticas contribuiu para a retomada do feminismo dos anos de 1970, adotando uma nova forma de pensar e fazer política, buscando politizar as relações cotidianas e transformar a qualidade das relações entre mulheres e homens. Lutaram, também, por liberdades democráticas, pela Anistia e pelo fim da ditadura. Houve aquelas que alavancaram, a partir do feminismo, a luta pela emancipação humana, por uma sociedade de mulheres e homens livres”, contam as autoras.

 

As resistentes

Amelinha Teles é “feminista histórica”; ex-presa política na época da ditadura, ainda é ativista política e de direitos humanos. Fundadora e diretora da União de Mulheres de São Paulo desde 1981, atualmente é assessora da Comissão da Verdade do Estado de São Paulo “Rubens Paiva”. É autora dos livros: “Breve História do Feminismo no Brasil” (Editora Brasiliense, São Paulo, 1993), em co-autoria com Monica de Melo; “O que é violência contra a mulher” (Coleção Primeiros Passos, Editora Brasiliense, São Paulo, 2002); “Os Cursos  Direito sob a perspectiva de Gênero” (Sergio Antonio Fabris Editor, Porto Alegre, 2006); e “O que são direitos humanos das mulheres” (Editora Brasiliense, São Paulo, 2006).Compõe a Coordenação Estadual das Promotoras Legais Populares de São Paulo desde 1994.

Rosalina Santa Cruz Leite é professorada PUC/SP, assistente social e foi secretária municipal de assistência social no governo da prefeita Luiza Erundina. Ex-presa política, é membro da Comissãoda Verdade da PUC/SP. Tem vários artigos publicados em revistas e periódicos sobre gênero, criança e adolescente e direitos humanos. Autora do livro “A Operária Metalúrgica” (Editora Cortez).

Criméia de Almeida, irmã de Amelinha Teles, é da União de Mulheres de São Paulo, militante dos Familiares dos Desaparecidos Políticos e ex-guerrilheira no Araguaia. Foi torturada mesmo estando grávida de sete meses. Em depoimento à Comissão Estadual da Verdade “Rubens Paiva”, na Assembleia Legislativa de São Paulo, Criméia contou que um suposto médico acompanhava suas torturas. “Ele dizia: ela aguenta a tortura nos pés e nas mãos, só não pode espancar a região da barriga.” Continuou sendo torturada até dar à luz a seu filho, ainda que sob constantes ameaças dos militares de que ele não sobreviveria. Após o parto, Criméia foi impedida de vê-lo e só pôde recuperá-lo 53 dias depois de seu nascimento, desnutrido e dopado. Em 2005, Criméia e seus familiares moveram uma ação declaratória contra o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, chefe do DOI-Codi na época da ditadura, responsabilizando-o pelas torturas sofridas.Três anos depois, a Justiça de São Paulo acatou a ação e Ustra se tornou oprimeiro agente da ditadura a ser declarado torturador. Em 2012, ele teve seu recurso negado. Criméia mantém sua atuação política por meio da Comissão dos Familiares dos Mortos e Desaparecidos Políticos. É uma das presas políticas depoentes do  filme “Que bom te ver viva”, da cineasta e ex-presa política Ana Murat.

 

A Rede Panapanã

A Rede Panapanã de Mulheres do Noroeste Paulista foi fundada em Votuporanga, em março de 2016. Panapanã é um substantivo feminino de origem indígena (tupi), que significa “um bando de borboletas ou uma nuvem de borboletas em migração”, e significa, para o grupo, a transformação, a liberdade, a diversidade, e a beleza enquanto essência e não aparência. É uma Rede apartidária que visa defender e lutar pelos direitos das mulheres como direitos humanos e ainda contra qualquer tipo de exploração, opressão e discriminação por classe, raça, etnia, religião, geração, região ou nação, condição física e orientação sexual. Mais informações em facebook.com/redepanapana

 

O FLIV

O FLIV é considerado o maior evento multicultural gratuito do Estado de São Paulo. Acontecerá de 21 a 29 de outubro, no Parque da Cultura, com atividades gratuitas abertas ao público, contabilizando cerca de 125 horas de promoção à cultura, com foco no incentivo à leitura junto ao público infanto-juvenil. Entre as principais atrações desta edição estão a filha de Cora Coralina, Vicência Bretas Tahan, e escritores como Ignácio de Loyola Brandão, Marcia Tiburi e Lourenço Mutarelli. Saiba mais em flivotuporanga.com.br ou no facebook.com.br/flivotuporanga.

 

20/10/16

FLIV 2016 começa nesta sexta-feira

Votuporanga sedia a partir desta sexta-feira (21/10) até o dia 29 de outubro o maior evento multicultural gratuito do Estado de São Paulo. A 6ª edição do FLIV – Festival Literário de Votuporanga promete atrair um público vindo de mais de 40 cidades do interior paulista, com uma extensa programação cultural.

A cerimônia de abertura do festival terá início às 21h e contará com a presença de autoridades, apoiadores, organizadores e imprensa. A solenidade acontecerá no Palco Principal do Parque da Cultura e será seguida da apresentação da Orquestra Bachiana Filarmônica SESI-SP, sob a regência do maestro João Carlos Martins.

Pouco antes, às 19h30, a Prefeitura de Votuporanga inaugura o Centro de Informações Culturais e Turísticas “Marão Abdo Alfagali”, que sediará grande parte da programação do FLIV.

Na apresentação, a orquestra trará composições de grandes nomes da música erudita, como Beethoven, Bach e Mozart. O encerramento do espetáculo promete um momento especial, quando o maestro assumirá o piano e relembrará sua trajetória como concertista.

Em 2016, o FLIV terá sua maior edição, com mais de 160 atividades, divididas em nove dias de programação, contabilizando cerca de 125 horas gratuitas de promoção à cultura, com foco no incentivo à leitura entre o público infanto-juvenil. O caderno com a programação completa do evento será distribuído gratuitamente para os visitantes e já está disponível para download no site flivotuporanga.com.br.

Além dos realizadores Ministério da Cultura, Instituto Comuna, Prefeitura de Votuporanga e Secretaria de Cultura do Governo do Estado de São Paulo através do Proac/SP - Programa de Ação Cultural, o FLIV 2016 conta com os patrocínios oficiais do Guaraná Antarctica e Elektro.

O festival também tem importantes apoiadores culturais: Grupo HSA; Senac; Abaçaí Organização Social de Cultura; Facchini; Poiesis – Instituto de Apoio à Cultura, à Língua e à Literatura; Projeto Ademar Guerra; OC Oficinas Culturais, Apaa – Associação Paulista dos Amigos da Arte; Sesc 70 anos; SESCOOP/SP; SESI-SP; Unifev; Museu Casa de Cora Coralina; Media Lab/UFG e SP Leituras Organização Social de Cultura . A promoção do evento é da TV TEM.

Orquestra Bachiana Filarmônica SESI-SP

Fruto da parceria entre a Fundação Bachiana e o SESI-SP, a Orquestra Bachiana Filarmônica SESI-SP é formada por jovens talentos e também por músicos experientes de diversas idades, sob a regência e direção artística do mundialmente reconhecido maestro João Carlos Martins.

Composta por 65 instrumentistas, a orquestra contribui para a formação de talentos e abre diversas oportunidades para profissionais, levando a cultura da música erudita a milhares de brasileiros e valorizando a música clássica de alta qualidade técnica e artística.

Desde o início de sua atividade, a Bachiana Filarmônica SESI-SP já se apresentou em diversas cidades do interior de São Paulo, nas periferias de grandes centros, em renomados teatros ao redor do Brasil e em grandes palcos da música mundial, como Carnegie Hall, o Lincoln Center e o Metropolitan, em Nova York.

Maestro João Carlos Martins

Considerado um dos maiores intérpretes da obra do compositor alemão Johann Sebastian Bach, o maestro João Carlos Martins construiu uma sólida carreira como pianista, se apresentando em diversos países ao redor do mundo. Um dos pontos altos de sua carreira foi a gravação da obra completa de Bach para teclado.

Devido a problemas físicos, João Carlos Martins teve de abandonar os palcos como instrumentista e, desde então, tem canalizado para a regência sua paixão pela música. Atualmente o maestro é diretor artístico e regente titular da Orquestra Bachiana Filarmônica SESI-SP. 

20/10/16

FLIV 2016 recebe exposição sobre Cora Coralina

A poetisa goiana Cora Coralina é a autora homenageada da 6ª edição do FLIV – Festival Literário de Votuporanga, que tem início nesta sexta-feira (21/10) e segue até o dia 29 de outubro, no Parque da Cultura.

Entre as principais atrações que relembrarão o legado da escritora durante o festival, está a exposição “Cora Coralina: Coração do Brasil”, que começou a ser montada nesta quarta-feira (19/10), no Centro de Informações Culturais e Turísticas “Marão Abdo Alfagali”.

A exposição marca uma nova concepção do Museu Casa de Cora Coralina, reinaugurado em março deste ano, na Cidade de Goiás, terra natal da poetisa. A mostra, que permanece no FLIV entre os dias 21 e 29 de outubro, traz o modo de vida de Cora e apresenta a poesia da autora num espaço moderno e interativo. 

Celebrando os 60 anos que Cora retornou de São Paulo para morar definitivamente em Goiás, as intervenções propostas pela exposição proporcionam ao visitante uma visita poética aos versos da escritora goiana. 

Um dos responsáveis pelo projeto, o professor Cleomar Rocha, da Universidade Federal de Goiás (UFG), caracteriza a mostra como uma experiência sensível, pulsante, uma forma de incorporar a poesia a novos sistemas multimídia em seu estado vibrante, visual e sonoro: “O projeto retoma a ideia de que a poesia está nas paredes, na água da bica, na fumaça do fogão onde Cora fazia seus doces”, complementa o professor. 

O Media Lab/UFG - Universidade Federal de Goiás é o responsável pelo projeto expográfico de cunho social e cultural para o Museu Casa de Cora Coralina. Em Votuporanga, o projeto conta com a colaboração do Museu Municipal “Edward Coruripe Costa”.

Durante o FLIV, a exposição “Cora Coralina: Coração do Brasil” estará aberta ao público a partir desta sexta-feira (21/10), das 19h às 22h, e entre os dias 22 e 29 de outubro das 8h às 22h, no 1º piso do Centro de Informações Culturais e Turísticas “Marão Abdo Alfagali”.

Museu Casa de Cora Coralina

Cora (de coração) e Coralina (de coral) são os nomes que formam o pseudônimo de Ana Lins dos Guimarães Peixoto Bretas (1889-1985), que passou parte da sua vida ao lado da ponte sobre o Rio Vermelho, na Cidade de Goiás. O Museu da Casa de Cora Coralina contempla a cozinha, onde estão os tachos de cobre que Cora usava para fazer doces; o quarto, que está como ela deixou, com vestidos pendurados na parede e também seus livros, fotos, cartas, máquina de escrever e até a bengala, que a amparou até os últimos dias, estão expostos.

Em duas salas, totens reproduzem vídeos em que ela aparece declamando seus poemas. Durante o tour o visitante também conhece mais sobre as pessoas que fizeram parte da vida da escritora, como Maria Grampinho, andarilha que perambulava pela cidade carregando sua trouxinha (a quem Cora dedicou um poema). O Museu Casa de Cora Coralina está localizado ao lado da ponte sobre o Rio Vermelho, na Cidade de Goiás, e funciona desde 1989, ano que marcaria o centenário do nascimento da poetisa.

Sobre o FLIV

O Festival Literário de Votuporanga – FLIV é considerado o maior evento multicultural gratuito do Estado de São Paulo. De 21 a 29 de outubro, terá a sua maior edição no Parque da Cultura com nove dias de atividades gratuitas abertas ao público, contabilizando cerca de 125 horas gratuitas de promoção à cultura, com foco no incentivo à leitura junto ao público infanto-juvenil, na faixa etária de 6 a 14 anos. Entre as principais atrações desta edição, estão a presença da filha de Cora Coralina, Vicência Bretas, e de escritores como Ignácio de Loyola Brandão, Marcia Tiburi e Lourenço Mutarelli. Em cinco edições, o festival registrou mais de 230 mil visitantes de 40 municípios do interior paulista. Saiba mais em www.flivotuporanga.com.br ou no facebook.com.br/flivotuporanga

Organização

O FLIV 2016 é realizado pelo Ministério da Cultura, Instituto Comuna, Prefeitura de Votuporanga e Governo do Estado com patrocínios oficiais do Guaraná Antartica e Elektro pela Lei de Incentivo à Cultura e Proac/SP – Incentivo à Cultura do Estado de São Paulo. E os apoiadores Grupo HSA, Senac, Abaçaí Organização Social de Cultura, Poiesis – Instituto de Apoio à Cultura, à Língua e à Literatura; Projeto Ademar Guerra; OC Oficinas Culturais, Apaa – Associação Paulista dos Amigos da Arte; Sesc 70 anos; Unifev; Museu Casa de Cora Coralina; Media Lab/UFG; SP Leituras e Sesi/SP. Promoção, TV TEM.

19/10/16

FLIV 2016 recebe projeto educacional “Elektro nas Escolas”

A 6ª edição do FLIV – Festival Literário de Votuporanga contará com a presença do projeto educacional “Elektro nas Escolas”. O projeto tem como principal objetivo disseminar informações sobre o uso eficiente e seguro da energia elétrica junto a comunidade escolar.

As atividades do “Elektro nas Escolas” são desenvolvidas no interior de uma Unidade Móvel de Ensino, que consiste num caminhão, transformado em laboratório sobre rodas. O veículo é adaptado para que os visitantes possam participar de um circuito roteirizado de atividades presenciais e interativas, que proporcionam uma relação direta entre o indivíduo e a energia.

Os alunos que participarem do projeto receberão uma série de informações sobre os processos de geração, transmissão, distribuição e o bom uso da energia elétrica, além de vivenciarem experiências lúdicas e interativas.

Haverá também a apresentação do teatro de fantoches “A Jovem Escritora”, que busca reforçar os conceitos transmitidos na Unidade Móvel, de forma simples e divertida.

Cada sessão do “Elektro nas Escolas” tem duração de aproximadamente 30 minutos. As atividades do projeto acontecem nos dias 27 e 28 de outubro, no período da manhã, das 7h30 às 11h30, e durante a tarde, das 13h às 17h.
 
Sobre o FLIV
O Festival Literário de Votuporanga – FLIV é considerado o maior evento multicultural gratuito do Estado de São Paulo. De 21 a 29 de outubro, terá a sua maior edição no Parque da Cultura com nove dias de atividades gratuitas abertas ao público, contabilizando cerca de 125 horas gratuitas de promoção à cultura, com foco no incentivo à leitura junto ao público infanto-juvenil, na faixa etária de 6 a 14 anos. Entre as principais atrações desta edição, estão a presença da filha de Cora Coralina, Vicência Bretas, e de escritores como Ignácio de Loyola Brandão, Marcia Tiburi e Lourenço Mutarelli. Em cinco edições, o festival registrou mais de 230 mil visitantes de 40 municípios do interior paulista. Saiba mais em www.flivotuporanga.com.br ou no facebook.com.br/flivotuporanga
 
Organização
O FLIV 2016 é realizado pelo Ministério da Cultura, Instituto Comuna, Prefeitura de Votuporanga e Governo do Estado com patrocínios oficiais do Guaraná Antartica e Elektro pela Lei de Incentivo à Cultura e Proac/SP – Incentivo à Cultura do Estado de São Paulo. E os apoiadores Grupo HSA, Senac, Abaçaí Organização Social de Cultura, Poiesis – Instituto de Apoio à Cultura, à Língua e à Literatura; Projeto Ademar Guerra; OC Oficinas Culturais, Apaa – Associação Paulista dos Amigos da Arte; Sesc 70 anos; Unifev; Museu Casa de Cora Coralina; Media Lab/UFG e Sesi/SP. Promoção, TV TEM.

19/10/16

Projeto “FLIV Itinerante” retorna em 2016

O projeto “FLIV Itinerante – Leitores do Futuro” estará presente durante a programação do 6ª edição do Festival Literário de Votuporanga, que acontece entre os dias 21 e 29 de outubro, no Parque da Cultura.

Lançado em 2015, como uma iniciativa inédita na região Noroeste Paulista, o “FLIV Itinerante” tem uma estrutura de biblioteca móvel, montada dentro de um ônibus, com mais de mil títulos de literatura infanto-juvenil, além de equipamentos de multimídia para sessões de cinema com filmes educativos.

Com o intuito de levar ações de incentivo à leitura aos bairros, escolas e espaços comunitários de Votuporanga, o “FLIV Itinerante” promove atividades culturais e artísticas com a comunidade, garantindo a inclusão social por meio do livre acesso à informação.

Projetada com a finalidade de estender a programação do FLIV durante todo o ano, a biblioteca móvel já percorreu diversos bairros de Votuporanga e esteve presente em mais sete municípios da região: Tabapuã, Potirendaba, Parisi, Valentim Gentil, Novais, Magda, e Sebastianópolis do Sul.

A iniciativa acontece com patrocínio oficial da Itamarati, Usina Colombo, Açúcar Caravelas e Facchini por meio do ProAC – ICMS: Programa de Ação Cultural do Governo do Estado de São Paulo e Secretaria da Cultura, com apoio da Prefeitura de Votuporanga, HSA e Instituto Comuna.

18/10/16

FLIV 2016: “Homenagear minha mãe é uma ideia formidável”, diz filha de Cora Coralina

Nascida em 1889, na Cidade de Goiás, a poetisa Cora Coralina foi uma das mais importantes escritoras da literatura brasileira. Este ano, o universo lúdico dos versos de Cora será relembrado durante a 6ª edição do FLIV – Festival Literário de Votuporanga, que acontece entre os dias 21 e 29 de outubro, no Parque da Cultura.

A filha da poetisa goiana, Vicência Bretas Tahan, é uma das convidadas especiais desta edição do festival. Autora de uma biografia romanceada da mãe, “Cora Coragem, Cora Poesia”, publicada pela editora Global, Vicência participará da abertura do festival, no dia 21, e de um bate-papo com Renato Barbieri e Regina Pessoa, diretores do documentário “Cora Coralina – Todas as Vidas”, no dia 22.

De acordo com Vicência, um dos aspectos que mais lhe chama atenção na carreira e na personalidade de Cora é a simplicidade: “Minha mãe nunca teve a pretensão de trazer nenhuma grande colaboração para a literatura brasileira. Ela costumava dizer que nunca correu atrás da poesia, mas que a poesia, na verdade, nasceu com ela”.

A respeito da escolha de Cora Coralina como autora homenageada do FLIV 2016, Vicência afirmou que considera a homenagem “uma ideia formidável”: “Fico impressionada. Mais de 30 anos depois da morte de minha mãe, ela continua sendo lembrada por festivais, bibliotecas, escolas e outras instituições relacionadas à literatura. Acho essa homenagem bela e justa”, completa.

O legado de Cora Coralina será relembrado em diversas atividades durante a 6ª edição do FLIV. Entre elas está a exposição “Cora Coralina: Coração do Brasil", organizada pelo Museu Casa de Cora Coralina, de Goiás, reinaugurado em março deste ano. Com projeto expográfico do Media Lab/UFG - Universidade Federal de Goiás e colaboração do Museu Municipal "Edward Coruripe Costa", a mostra procura apresentar ao público o modo de vida de Cora e apresentar a poesia num espaço moderno e interativo.

De acordo com o professor Cleomar Rocha, um dos responsáveis pela exposição, o projeto “retoma a ideia de que a poesia está nas paredes, na água da bica, na fumaça do fogão onde Cora fazia seus doces”. A obra da poetisa também será tema de atrações como o bate-papo com os autores Jean Garfunkel e Penélope Martins, que homenageiam a escritora, no dia 23; e as intervenções poéticas do grupo Prana Teatro de Animação, que se apresenta nos dias 26 e 27.

O festival 

Todas as atividades do FLIV – Festival Literário de Votuporanga são gratuitas e abertas ao público. Estima-se que mais de 80 mil pessoas passem pelos ambientes do evento, montado num espaço de 105 mil m², dentro do Parque da Cultura, em Votuporanga.

Em 2016, o FLIV terá sua maior edição, com mais de 160 atividades, divididas em nove dias de programação, contabilizando cerca de 125 horas gratuitas de promoção à cultura, com foco no incentivo à leitura junto ao público infanto-juvenil.

Entre as principais atrações desta edição, estão as apresentações da Orquestra Bachiana Filarmônica SESI-SP, sob a regência do maestro João Carlos Martins, e de grupos musicais como Pato Fu e Funk Como Le Gusta, além da presença de grandes nomes da literatura nacional, como Ignácio de Loyola Brandão, Marcia Tiburi e Lourenço Mutarelli.

O FLIV é realizado pelo Ministério da Cultura, Instituto Comuna, Prefeitura de Votuporanga e Governo do Estado com patrocínios oficiais do Guaraná Antarctica e Elektro pela Lei de Incentivo à Cultura e Proac/SP – Incentivo à Cultura do Estado de São Paulo. E os apoiadores Grupo HSA, Senac, Abaçaí Organização Social de Cultura, Poiesis – Instituto de Apoio à Cultura, à Língua e à Literatura; Projeto Ademar Guerra; OC Oficinas Culturais, Apaa – Associação Paulista dos Amigos da Arte; Sesc 70 anos; Unifev; Museu Casa de Cora Coralina; Media Lab/UFG e Sesi/SP. Promoção, TV TEM. Mais informações pelo www.flivotuporanga.com.br 

Guia

  • Agência Bancária
  • Farmácia/Drogaria
  • Hotéis
  • Imobiliárias
  • Lanchonete
  • Pizzaria
  • Ponto de Táxi
  • Restaurante
  • Serviço Médico
  • Postos de Combustível
  • Transporte
  • Emergência